Não matem os velhinhos?

Não matem os velhinhos.

Perdoa-os meu Deus que eles não sabem o que dizem…

Já muito foi dito, até mexido, para que uma simples fotografia ganhasse significado de ignorância. Nem imagino o arrependimento de alguém que se manifestou sem saber o que dizia, pois no mundo dos adultos, no mundo das pessoas supostamente ponderadas, temos de alguma cautela quando fazemos afirmações de tal ordem.

Quem nos ouvir, quem der atenção a manifestações de opinião como esta, até pode achar que vivemos num pais com tendências nazis. Sim, afirmo isto pois se decidíssemos aniquilar quem supostamente não nos faz falta, quem já nada pode contribuir para este nosso mundo, estaríamos a esquecer a validade que esse ser, que agora não consegue, não pode, teve na criação em que vivemos.

Não matem os velhinhos!

Pois não, pois quem somos nós para decidir sobre o fim de vida de alguém. Podemos sim decidir o inicio de alguém, dar vida. Mas isso não chega, temos de dar mais, principalmente amor.

Não matem os velhinhos?

Se falássemos de dignidade humana tanto se podia dizer, tanto da nossa biologia como o nosso entendimento. Entendimento, consciência humana, cognição são conceitos só nossos humanos, pelo menos enquanto não percebermos melhor o resto do mundo que connosco coabita este planeta. Nesse entendimento, nessa estrutura que nos permite pensar, existe a consciência da morte. Todos nós sabemos que vamos morrer, o que muda é a forma como isso acontece.

O corpo humano só por si tem dignidade? Não, é somente um organismo vivo, que tem como objetivo sobreviver. Podemos também afirmar que a nossa dignidade advém da perceção que temos de nós, que temos do mundo.

Será que queremos matar velhinhos?

Todos nós lá chegaremos, todos nós envelhecemos. Mas o problema da morte não é só a eles destinado. Todos os momentos morrem e nascem seres humanos.

Queremos ver os velhinhos, os portadores de doenças terminais ou neurodegenerativas, apodrecerem devagar, até chegar ao ponto que a morte é um alivio? Será isso que se pretende para o final da dignidade humana?

Matamos alguém sequer?

Já quase todos os seres humanos já presenciaram alguém a morrer, a sofrer, a defininhar até nada restar a não ser uma ossada que merece descanso?

Falo-vos de um exemplo que nada de novo tem, nada de previsível a não ser a incapacidade, de algo que não tem cura, mesmo tratamento é insuficiente, fala-vos da esclerose lateral amiotrófica (ELA). ELA entre sorrateiramente, vai-se instalando e quando lhe apetece tira o que mais lhe convém.

Claro que vos falo do subtipo pior, pois no caso de permitirmos a alguém terminar com o seu destino predestinado, que nada de novo lhe vai trazer a não ser sofrimento e uma dependência extrema do mundo cá fora, um mundo que continua, que existe, e para aquela pessoa, que passa o dia imóvel, inerte, em que a vontade de mexer uma mão já não chega, o corpo não responde, e o desespero se instala. Esta doença está relacionada com o neurónio motor, responsável por muitos das características inatas que nos mantem vivos.

ELA não dá descanso, não tira férias, está sempre presente. Perde-se a voz, esta linguagem complexa, que é essencial para mantermos o nosso lugar no mundo, pois é essa voz que nos dá o direito de opinar, de não aceitar, de lutar por aquilo em que acreditamos.

É triste pensar que matamos velhinhos!

Mas ELA ainda não fica por aqui, vai-nos tirando tudo, deixando-nos sem nada. Dignidade humana? Imaginem um conceito simples. Imaginem que têm uma comichão que não passa, que incomoda, que irrita. Todos nós conseguimos satisfazer a necessidade de coçar, de arranhar mesmo deixando marca na nossa pele. Por vezes pedimos aos outros para nos aliviarem quando não conseguimos. E se não conseguíssemos fazer nada? Se até o simples facto de respirar tivesse de ter ajuda? Se beber, se sorrir, ai o sorrir que tanto é nosso, humano, fosse de todo impossível?. Como podemos sorrir, se nada o justifica?

Não queremos matar ninguém, isso é uma decisão pessoal, ponderada, até questionada, pois a eutanásia não é um matadouro, não é uma linha de montagem de morte.

ELA mata e não é assim tão devagar, mas nunca é depressa demais. Aquela imagem de um ser que já foi alguém, que sabe o seu final e sabe que pode estar próximo, mas não o suficiente. E se esta pessoa não tiver ninguém, nem alguém que lhe pudesse um copo de agua? Temos de matar a sede, mas não podemos matar o corpo doente, que tudo nos tira, que não nos permite viver. O que quer dizer viver? Para mim liberdade. Liberdade. E novamente liberdade.

Quem tem dinheiro pode matar os velhinhos.

Aqui o dinheiro mata. A viagem para a Suíça não é barata, a estadia também não. Talvez agora todos nós devíamos Planos Poupança para a morte, talvez as seguradoras assim o assumam, para que, quando já não há nada a fazer, quando os fármacos necessários para ausência de sofrimento nos impossibilitem de sermos gente, o fim do caminho de vida, o inicio do descanso merecido do guerreiro, que já nada pode fazer senão pousar a sua espada e não sofrer mais.

Todos nós sofremos, todos nós desejamos a uma certa altura da vida a morte, mas isso não pode ser critério de fim. Claro que tem de existir regras, por demais definidas, em que se criem as condições para esse ato ser aceitável, até mesmo o melhor para aquele ser que desespera, que sabe que não há nada a fazer a não esperar pelo fim.

Consultei, pesquisem, investiguem o que significa morrer com doença terminal, falem com eles, vão a um serviço de oncologia, de neurologia. Eles, que estão quase a terminar podem-vos dizer o que queriam para esse resto de vida. Nem todos querem morrer, mas alguns querem.

Não matem os velhinhos. Mas deixem ser eles a decidir se o final tem de ser tão catastrófico.

“Carlos tem trinta e dois anos, estando assim no pico da sua vida. Já tanto trabalhou para chegar onde chegou, pois ajudas teve poucas, ou quase nenhumas, mas isso nunca foi impedimento para tentar.

Um dia o tempo parou, o medo chegou para ficar, e a incerteza, passou a ser uma certeza absoluta. Coreia já por si é um termo pesado, principalmente com os acontecimentos atuais, mas quando seguida por huntington torna tudo muito pior.

Tudo começou com um pequeno tremor, um simples balançar da sua mão, que nada parecia ser, que nada podia até, pois só dele próprio Carlos dependia. E a partir desse momento iria precisar desesperadamente de alguém. Ele não sabia o que fazer, e pela primeira vez na sua vida não o conseguiria, não por não querer, não por não tentar, mas porque o seu corpo que lhe dava validade à sua mente, já não respondia, ou respondia de forma deficitária. Foi perdendo tudo, ficando sem nada, ficando um sombra da existência já vivida. Deixa de conseguir andar, de pensar até, e como isso o destrói, a sua mente sempre fora a melhor parte dele.

Deseja morrer todos os dias, e não é pelo excelente acompanhamento, entre neurologia, psiquiatria e afins, que as coisas melhoravam. Deseja que não acorde, para poder descansar, pois até nos sonhos nada consegue fazer, sonha com o fim anunciado, fechado numa cama, sem ninguém à sua volta. Para quê? Porquê que obrigaria alguém a passar por isso também, pois também aqueles que vivem em seu redor sofrem, num sofrimento atroz, em que nada podem fazer, nem mesmo o que ele precisa, de morrer…

Um dia, ainda quando conseguia fazer os mínimos, que não chegam, que nos lembram do que já perdemos, foi dar uma volta.

Depara-se com um centro comercial, que para ele era tão conhecido, tantas vezes ali passeara, mas agora as coisas eram diferentes. Ao chegar à sua entrada vê-se confrontado com um obstáculo, que tanto poderia ser o Evereste, de tamanha tarefa tinha, a porta!

O simbolo diz puxe, como se para ele fosse assim tão simples. Ele pensa em faze-lo, ordena-se para tal, mas nada responde. Nada. Nem um simples tremor que já foi sinal de intempere. E ali está ele, olhar o mundo que deseja por uma porta de vidro, sem conseguir a ele chegar. Tudo treme, a cabeça fraqueja, as pernas balançam. E ele, sozinho, perpetuadamente abandonado pelas suas capacidades, espera por algo que não irá acontecer. E ali jaze ele, em frente a uma porta, sem nada fazer, não pode!

O mundo passa por ele e parece nem reparar, tambem ele não o quereria, só queria poder, conseguir o que todos os outros dão por garantido. Para ele nada existe a não a ser a doença e o seu fim trágico. Ele não quer passar por isso, ele não vai passar por isso, mas para isso precisa de ajuda. Já nada faz sentido, já nada mais há para viver, a não esperar pelo fim, e como espera que seja rápido, mas por vezes esta doença não ajuda, tudo tira menos o ultimo sopro de vida.

E lá está ele naquela porta, mas já chove e ele nada pode fazer, a não ser esperar. Sabem lá vocês o que ele espera!

Mata-me de uma vez, tira-me deste corpo que já não é meu!

Mata-me e farás de mim um Homem FELIZ…

Mata-me e assim me salvarás…

Simplesmente ajuda-me a morrer…

 

Anúncios

Autor: Pedro Garrido

A Psicologia sempre foi para um sonho de carreira que agora concretizei. Sempre senti que esta profissão tem de ser a única escolha que alguém tem de ter, pois também neste âmbito tem de ser uma questão de vocação, como se tivesse-mos um chamamento que se reflecte na capacidade de estarmos próximos de quem a nós recorre. Da mesma forma que os pacientes tem de abraçar este caminho, também nós o temos de fazer, abraçando também quem está frágil, desmotivada, desacreditada. Assim me apresento a vós com a esperança que este espaço vos traga algo de novo. contacto 965172940. Avenida 5 de Outubro, 10, piso 7, sala 14, Lisboa

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s